ENSINA-NOS A ORAR

Banner-oração

Mark Twain supostamente disse que todo mundo fala sobre o tempo, mas ninguém faz nada a respeito. Entre cristãos, quase a mesma coisa poderia ser dita sobre a oração. Sabemos que deveríamos orar. Sabemos que é importante orar. Falamos sobre a oração, pregamos sobre a oração, até publicamos livros sobre a oração. Mas, nas vidas da maioria dos cristãos, pouca oração acontece.

De fato, a maioria dos cristãos sabe pouco sobre como orar. Geralmente foram informados que orar é “falar com Deus”. E isto é verdade, mas quantos de nós sabemos manter uma conversa com um interlocutor invisível e inaudível? Claro, sabemos que é nosso dever falar com Deus, mas sobre o que devemos falar? E o que devemos dizer?

Esta perplexidade não é singular aos cristãos modernos. Evidentemente, os discípulos de Jesus experimentaram algo parecido. Depois de observar o Senhor conversar com seu Pai, chegaram a ele com uma petição: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc 11.1).

Jesus não desprezou o pedido deles. Ele nem repreendeu ou ridicularizou seus discípulos. Pelo contrário, ele os ensinou a orar. Ele até os forneceu um padrão, uma oração que serve de modelo dentro da qual poderiam inserir suas próprias petições e locuções.

Os discípulos de Jesus tinham que ser ensinados a orar. A oração não era algo natural para eles. Eles não sabiam intuitivamente como fazer. Se até os discípulos tinham que ser ensinados a orar, é razoável pensar que cristãos do século XXI também têm algo a aprender. Orar não é uma coisa que fazemos por instinto, como os pássaros migram para o seu destino. Se formos orar eficazmente, precisamos ser ensinados como orar.

Sabemos que a oração é importante. Sabemos também que a oração precisa ser ensinada. Consequentemente, é de se esperar que o mundo cristão estivesse repleto de crentes maduros que estão treinando crentes mais jovens na vida de oração. Se for isto que você espera, porém, você certamente ficará desapontado. Até entre cristãos que se gabam da sua lealdade a Deus e ao evangelho (sem mencionar da sua separação do erro), a oração é raramente ensinada de maneira sistemática ou formal. Cristãos contemporâneos estabeleceram muitas faculdades e seminários para treinar pastores e missionários, mas quase nenhum deles exige instrução formal em oração. Devemos ficar surpreendidos que estas instituições produziram uma geração de líderes caracterizados por vidas de oração precárias?

É claro que alguns, de fato, aprendem a orar. Tipicamente, porém, aprendem, não porque foram ensinados, mas porque foram constrangidos a orar. A providência permite tal adversidade e dificuldade nas suas vidas que não têm aonde ir senão a Deus. A aflição de suas almas transborda seus corações no seu clamor ao Todo-poderoso. Eles martelam as barricadas do céu (ou, pelo menos, esta é a sensação que têm) até descobrirem que estavam no santo lugar o tempo todo.

Pessoas desesperadas aprendem a orar. Sob a compulsão das circunstâncias, varrem as Escrituras atrás de ensinamentos sobre a oração. Quando começam a orar seriamente, recebem respostas. Mais do que respostas, recebem também uma visão mais aguçada do caráter do Deus a quem oram. Além disso, se tornam mais e mais sensíveis à Sua presença nas suas vidas — de fato, toda a vida se torna parte da sua conversa com Deus.

Como vimos, alguns aprendem a orar porque foram forçados pelas circunstâncias. Além destes, um punhado é atraído à oração pela sua leitura das Escrituras. Outros caiem, quase por acidente, debaixo dos cuidados de um mentor cristão que ora. Estes poucos aprendem a orar.

Que são poucos, porém, é indiscutível. Não necessitamos de alguma pesquisa do IBGE para saber isto. Só precisamos prestar atenção às orações que estão sendo proferidas nas igrejas.

O conceito do culto de oração se tornou, há muito tempo, extinto. Até mesmo as igrejas que fingem ter cultos de oração quase sempre transformaram a reunião em estudo bíblico. O tempo de oração é relegado a uma fração da reunião e a maior parte dele é gasto na verbalização de pedidos uns aos outros, em vez de a Deus. Gastamos mais tempo pedindo aos outros orarem do que gastamos orando de fato.

As orações em si são apavorantes, embora considerássemos uma falta de bons modos dizê-lo. Criticar as orações de outras pessoas, no nosso modo de pensar, seria como criticar suas escolhas de desodorante ou de roupa íntima — pessoal demais para ser da nossa conta. Mesmo assim, se as pessoas desenvolvessem o hábito de usar sua roupa íntima do lado de fora de sua roupa, talvez teríamos alguma coisa a dizer sobre o que é apropriado no seu efeito sobre os santos congregados. A mesma coisa é válida na oração: o que é proferido em público não é mais apenas pessoal, mas afeta todo o corpo de crentes em oração.

Ao lado do culto de oração, não existe quase nenhum outro lugar que põe à mostra tanta falta de fluência na oração. Talvez creiamos que a oração é simplesmente falar com Deus, mas a proporção de repetição impensada, clichês vazios e pausas verbalizadas estultificaria uma conversa normal. Até o proferimento de genuína heresia é aceito com total indiferença (“E, Pai, te agradecemos por derramar teu sangue por nós na cruz. No teu nome oramos. Amém.”). Em conversas normais, este grau de irreflexão seria considerado falta de educação ou até insultuoso.

Cristãos contemporâneos parecem ter dois problemas relacionados à oração. Um é que muitos simplesmente não oram. O outro é que, quando oram, oram mal. E estes problemas, de forma alguma, são ocasionais. São abrangentes.

O que aconteceria se cristãos contemporâneos de repente experimentassem uma epidemia de oração? Como mudaríamos? Como Deus responderia? Quais respostas veríamos? Saberemos somente se realmente orarmos, e oraremos somente quando soubermos como orar.

Senhor, ensina-nos a orar.

 

por Kevin T. Bauder

traduzido por Mark A. Swedberg